NOTA DE ESCLARECIMENTO À IMPRENSA E À SOCIEDADE! VESTIBULAR DE MEDICINA UNIPAC JF

Em virtude de notícias veiculadas na impressa neste sábado (14), a Universidade Presidente Antônio Carlos - UNIPAC-JF Campus II e o Instituto Brasileiro de Gestão e Pesquisa – IBGP, instituição responsável pela organização e execução do Processo Seletivo do Vestibular para Medicina 1º/2016  vêm manifestar que colaboraram com a Policia Civil do Estado de Minas Gerais, alocando em seus quadros de colaboradores que iriam atuar no processo seletivo, policiais investigadores que tinham como objetivo monitorar possíveis candidatos suspeitos de integrarem uma quadrilha especializada em fraudar vestibulares de Medicina em todo o pais.

Para garantir segurança, confiabilidade e lisura ao processo de seleção no dia da prova, foi utilizado detectores de metais em todos os candidatos que utilizam os sanitários e foram colhidos as impressões digitais e foto de todos os candidatos participantes do processo, que depois serão comparados, por um sistema eletrônico de última geração, no dia da matrícula.

Informamos que logo no início das provas, após a identificação dos candidatos suspeitos de tentar fraudar o processo seletivo 1º/2016, os mesmos foram retirados pela equipe de investigadores da Policia Civil do Estado de Minas Gerais, e ficaram isolados até serem transferidos para a 4º Delegacia Regional de Polícia Civil, com sede no bairro Santa Terezinha em Juiz de Fora.

No intuito de garantir que não houvesse qualquer possibilidade de outros possíveis fraudadores receber qualquer informação relativa as provas a coordenação técnica do IBGP adotou medida de prolongar o período de sigilo, que já era de 4 (quatro) horas, para o período integral de duração das provas, equivalente a 5 (cinco) horas, assim todos os candidatos só puderam deixar o local de prova ao final do processo.

A Unipac Juiz de Fora e o IBGP reafirmam o repúdio a atos desta natureza praticados por essas organizações e reitera sua obstinação com a garantia da lisura do seu processo seletivo, utilizando-se de todos os meios disponíveis para coibir fraudes, assumindo aqui um compromisso público de continuar colaborando com as autoridades competentes para que vestibulandos e a própria sociedade não sofram os prejuízos por serem vítimas dessas verdadeiras organizações criminosas.